As vindimas manuais são realizadas, parcela a parcela, com a maturação perfeita. As uvas passam por uma primeira triagem na vinha, efectuada pelos vindimadores.

Na tina são realizadas duas triagens, antes e depois da separação dos engaços, de modo a optimizar a qualidade da fruta.

As fermentações alcoólicas são feitas em pequenas cubas de betão, cepa a cepa e parcela a parcela, antes de um período de maceração dos sumos com as cascas, durante duas a três semanas.

Depois ocorre o escoamento dos vinhos de gota e a prensagem dos vinhaços cujo sumo é cuidadosamente colocado à parte. A segunda fermentação, malo-láctica, é depois realizada, de acordo com a qualidade dos lotes de vinho, em pipas ou em cubas, cepa a cepa.


A colheita é envasilhada em barris de carvalho (50% de madeira nova).

Durante 18 meses de trabalhos de adega, os vinhos serão progressivamente reunidos no momento das trasfegas efectuadas mais ou menos de três em três meses.

Em contacto com as borras finas e os taninos do carvalho, vão adquirindo, pouco a pouco, a estrutura e a complexidade que lhes permite constituir "vins de garde" capazes de melhorar ao longo do tempo.




A propriedade consegue produzir até 100 000 garrafas.

Um segundo vinho DOP Pomerol, o Hospitalet de Gazin, foi criado em 1986 para reservar o melhor da colheita para o Château GAZIN.



Depois do engarrafamento na propriedade, o vinho é expedido em caixas de madeira para todo o mundo pelo comércio de Bordéus. 86% da produção do Château GAZIN destina-se aos apreciadores estrangeiros.